quarta-feira, 6 de maio de 2015

CANUCO DE RUA


De pés descalços vagueava o menino abandonado 
Olhei em seu dorso marcado com sinais de escravidão
apercebi-me que em seu rosto espelhava-se um desespero enorme.

   Mendigando todos santos dias nas ruas de Luanda
a procura de alimento para saciar a sua enfadonha fome
até parecia que aquele Canuco já não dorme.

   Canuco de rua; estas palavras escrevi para ti
erga a cabeça, põe te em pé e começa andar
olha para os céus e veja o futuro chegar.

   venha, venha e seja feliz comigo
deita o teu manto, olha que já não serás mendigo
ouvi o teu clamor por isso darei o meu amor
amor este que um dia compreenderás.

   Canuco de de rua este não é o seu lar
sobe a mesa e venha jantar
o futuro esperado acabou de chegar
serás meu filho custa o que custar
por ti lutarei enquanto eu viver

   Canuco de rua eu ouvi o teu clamor

2 comentários:

  1. brutal man, gostei bem pensado, tens melhor em alguns aspectos, houve palavras
    repitas outras muito juntas, questão de calma. valeu

    ResponderEliminar